Facebook Twitter RSS

[Análise] Sexta temporada

Falta menos de um mês até a sétima temporada de Futurama começar a ser exibida nos EUA através da Comedy Central, e por isso, vamos recapitular os altos e baixos da sexta temporada, que marcou o retorno oficial da série à televisão.

"É, estamos de volta."

No começo desse milênio, muita gente já percebia que Futurama era a ovelha negra da Fox. Mesmo sendo criada por Matt Groening, que rendeu à emissora alguns milhões de dólares com um desenho chamado Os Simpsons, a série do ano 3000 simplesmente não era uma das favoritas dos executivos da empresa. E com isso, quero dizer que Futurama era completamente negligenciado pela emissora, colocado em horários ruins e raramente promovido. A situação estava tão ruim que finalmente a cancelaram em 2003, como muitos já previam.
O problema da Fox é que os executivos da emissora não entendiam a série, e por isso a neglicenciavam. "Eles nunca entenderam a série e eu não pude explicá-la para a satisfação deles", disse Matt em uma entrevista à Entertainment Weekly em 2004. O que estes executivos queriam era um programa que a população em geral se interessasse, mas as histórias incomuns, piadas sutis (de fato, muitas delas requerem pelo menos algum conhecimento científico) e enredos inteligentes (até mesmo confusos, para certas audiências) não eram aquilo que o telespectador comum quer ver em um canal como a Fox. O episódio Bender na TV, da quarta temporada reflete bem essa situação.

Acho que todos sabemos o que ele vai dizer.

Tudo isso acabou quando Futurama retornou para sua sexta temporada, em 2010, agora pelo canal Comedy Central, conhecido pelo seriado South Park. Diferentemente de quando estavam na Fox, os produtores de Futurama finalmente tiveram a chance de fazer aquilo que quisessem, sem interferência da emissora. O resultado disso? Uma temporada simplesmente genial, com histórias tão incríveis, inteligentes e ousadas que dificilmente veríamos em outro canal. Afinal, estamos falando da Comedy Central, e nesse caso, f***-se o telespectador comum.

Exato.

A primeira coisa que percebemos ao ver os primeiros episódios da 6ª temporada é que Futurama está mais ousado do que nunca, começando pela nudez parcial, que não é pouca: em Reincarnação, vemos os personagens voltarem à vida (nus, é claro) após a nave Planet Express ter explodido junto com a Nimbus. Inagada Leela foi mais além, com Leela e Zapp Brannigan usando apenas folhas para cobrir suas intimidades. Também vemos Bender e Amy muito íntimos em Proposta do infinito, que aborda   o tema do robossexualismo.  E quem é que não se lembra dos ensaios fotográficos sensuais de Neutopia? Bem, é melhor pararmos por aqui.
Some isso à piscina de vômito e diarreia do episódio O Formulário Assassino e você verá que agora Futurama está muito mais ao estilo de South Park (o que, na opinião deste blog é algo excelente, pois South Park também é uma série fantástica que mesmo depois de 15 anos no ar não perdeu nem um pouco de seu humor tão característico).

Não havia nenhuma possibilidade de que isso iria acabar bem.

Outra coisa que marcou essa temporada mais do que qualquer outra foram os enredos inteligentíssimos de alguns episódios, o que garantiu a eles um status de "clássicos instantâneos". O melhor exemplo possível é o episódio O Atraso de Fry: inicialmente, parece apenas mais um episódio sobre viagem no tempo, um assunto que é constantemente abordado na série. No entanto, à medida em que Fry, Bender e o Professor viajam na máquina (que aliás, só vai para o futuro), a história fica cada vez mais interessante. Apenas o fato de passarem por um segundo Big Bang (duas vezes) até voltar ao presente é algo extremamente inusitado e que ninguém esperava. Na verdade, esse episódio foi tão genial que garantiu a Futurama o Emmy de melhor série animada em 2011, e considerado por muitos o melhor episódio da série até hoje.
Continuando com os episódios memoráveis, temos Origem Mecânica, que põe um fim definitivo à discussão do criacionismo contra o evolucionismo de uma forma que só Futurama poderia mostrar; O Prisioneiro de Benda, tão genial que um dos produtores da série teve de criar um teorema matemático apenas para resolver o problema do episódio; e Benderama, em que Bender se auto-replica infinitamente até chegar no nível molecular (e criar álcool a partir de átomos de carbono e hidrogênio). Na verdade, todos os episódios têm seus momentos de genialidade, mas vamos parar por aqui se não a lista ficaria realmente extensa (aliás, é o que fizemos com a questão da nudez parcial).

O Segundo Big-Bang

Além disso, temos outros episódios que abordam o tema que não poderia faltar em Futurama: volta ao passado. Além do já citado O Atraso de Fry, temos também Todos os Presidentes Chefes, em que a tripulação da Planet Express volta ao tempo da revolução americana e acidentalmente faz com que os americanos não consigam a independência; e, é claro, os flashbacks de Inspeção Letal, onde vemos um Bender ainda bebê cuja vida foi salva por um misterioso inspetor #5; Möbius Dick, em que John Zoidberg revive os terríveis momentos em que perdeu a tripulação antiga da Planet Express (e um lanche); A Ponta de Zoidberg, que revela uma antiga amizade entre o Professor Farnsworth e Zoidberg; e Guerreiros do Frio, onde acompanhamos um Philip Fry de 14 anos tentando levar um hamster gripado ao espaço.

Ah, as lembranças.

Uma característica da série que continuou nessa temporada foram os episódios que não possuem uma piada de encerramento, e ao invés disso, a conclusão fica por conta de flashbacks geralmente emocionantes, como a cena final de Inspeção Letal, onde o recém-construído Bender é poupado da destruição graças à compaixão de seu inspetor ao vê-lo ainda bebê; e também o final de Guerreiros do Frio, onde descobrimos que o pai de Fry o amava apesar de criá-lo como um militar. Finais como esses nos fazem esquecer do episódio e pensar na vida pessoal de cada personagem, mesmo sabendo que eles são fictícios.

E quem conseguiria descartar esse robô?

O que podemos concluir da sexta temporada é que ela é, sem dúvidas, a temporada mais espetacular de Futurama. Enquanto manteve o estilo característico de sempre, nessa temporada Matt Groening e os produtores finalmente puderam mostrar o século 31 do jeito que queriam, e isso sem dúvidas deixou a série que já era excelente ainda melhor.

Nota: 9.5 - O mundo do amanhã está melhor do que nunca.

6 comentários:

  1. Show, vcs podiam começar uma série de notícias esses episódios marcantes, tipo O atraso de fry (por exemplo, mas acho que já postaram) ou esses outros como Benderama e Os guerreiros do Frio que acho que não foram postados, post mt legal!

    ResponderExcluir
  2. Sim, pretendemos fazer reviews de cada episódio da sétima temporada à medida que forem exibidos (ou pelo menos dos melhores), e talvez façamos dos clássicos de outras temporadas também. Obrigado!

    ResponderExcluir
  3. ai que emoção q
    tá tão perto

    ResponderExcluir
  4. onde eu acho a sexta temporada dublado pra baixar? como eu assistir na band achei que seria fácil baixar, mas não encontrei nenhum em lugar. até pra assistir online dublado parece que não tem.

    ResponderExcluir
  5. fais uma analise sobre o episodio do casamento de fry e leela por favor

    ResponderExcluir